Espaço Jovem

COMPLEXOS

A pessoa complexada é insegura, infeliz e vive sempre no submundo da sua mente, da sua alma, alimentando fracasso, medo e impossibilidades. Durante muitos anos, a conhecida declaração de Jesus, “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”, foi criticada por muitos insinuando até que seria “egoísmo amar a si mesmo”. A Palavra de Deus, no entanto, é imutável e eterna a despeito de posição contrária. Hoje, tem-se a clara consciência de que amar a si mesmo é o equivalente a ter AUTOESTIMA, AUTOACEITAÇÃO. Os psicólogos trabalham esse foco porque conhecem a importância da pessoa “gostar-se”. Quando o ser humano passa a ter autoaceitação, não alimenta mais complexos ou sentimentos de menos valia. Machado de Assis, no seu curioso soneto “Círculo Vicioso”, descreve que o vaga-lume disse: “Quem me dera que eu fosse a lua”; por sua vez, a lua disse: “Quem me dera que eu fosse a estrela” e esta, “quem me dera que fosse o sol” e este, por sua vez, cansado do seu fausto e esplendoroso calor abrasante: “Quem me dera que eu fosse um simples vaga-lume”.

Assim é também o ser humano; um tem complexo por ser magro; outro, por ser gordo; outro por ser baixo e outro, ainda por ser alto. A “polaca” quer ser morena, a morena ou negra quer ser branca.

Há uma insatisfação perene no ser humano, especialmente quando não tem autoaceitação da sua cor, da sua aparência, da sua estatura, etc..

Temos mais motivos para agradecer do que a reclamar; basta lembrar, por exemplo, de Helena Keller que era cega, surda e muda e triunfou na vida.

Ela se expressou: “Ah, se eu pudesse enxergar um só dia”. E nós estamos enxergando há quanto tempo?

Os complexos são entulhos emocionais estampados na alma, no sentido de sentimentos, emoções. Temos ouvido falar em doenças psicossomáticas envolvendo fatores orgânicos e psicológicos, conflitos psíquicos que Freud explicaria muito bem! Na prática, os chamados entulhos da alma prejudicam muito o dia a dia do homem, da mulher. Seja a ansiedade, a angústia, a raiz de amargura, o ressentimento, o ódio, o desejo de vingança, a falta de perdão, complexo de superioridade ou inferioridade, sentimentos que se constituem terríveis entulhos da alma que provocam fracasso de vida.

Texto Bíblico especial: “E o segundo (mandamento), semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Mateus 22:39)

Meditar e memorizar: “Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, esses três; mas o maior desses é o amor”. (I Coríntios 13:13)

                              FONTE: Bispo Agnaldo Leite do Sacramento

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo