Home / Artigos / O MAIOR REFORMADOR DA HISTÓRIA

O MAIOR REFORMADOR DA HISTÓRIA

“A menos que vocês me provem pela Escritura e pela razão que estou errado, eu não posso e não me retratarei. Minha consciência é cativa a Palavra de Deus”. Essas foram as palavras de Lutero diante da dieta de Worms, uma reunião marcada para acabar com o movimento iniciado pelo reformador. Lutero foi constrangido a negar aquilo que escrevera. A negar aquilo e aprendeu diretamente da Palavra de Deus. A Igreja romana estava pedindo que Lutero se retratasse e voltasse atrás em suas declarações. Tudo isso porque há exatos 496 anos ele estava rompendo com séculos de aprisionamento das Escrituras e exploração do povo através da opressão religiosa. No dia 31 de outubro de 1517 Lutero fixou suas 95 teses na capela de Wittenberg, um importante corredor religioso, político e acadêmico da Alemanha naquela época. Logo a notícia e escritos de Lutero se espalharam e Deus espalhou o evangelho de novo pelo mundo! Que alegria lembrar dessa data!

Lutero se encontrou com o Deus da palavra e ao ler a carta aos romanos foi despertado para uma grande verdade e alicerce do evangelho: o justo viverá pela fé! Mas essa história não começou aqui na reforma do século 16. Seiscentos anos antes de Cristo Habacuque num período de cativeiro, sofrimento e rebeldia estava colocando suas aflições e questionamentos diante de Deus quando do alto veio a ordem para escrever: “O ímpio está envaidecido, seus desejos não são bons, mas o justo viverá pela sua fidelidade (Hc 2:4)”. O profeta do antigo testamento estava gritando “O JUSTO VIVERÁ PELA FÉ!”.

Entre 50 e 60 anos depois de Cristo (650 anos depois de Habacuque) Paulo estava ensinando para uma Igreja ingênua e pouco doutrinada. E ele grita aos romanos: “Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: O JUSTO VIVERÁ PELA FÉ! (Romanos 1:17). Parece que ele estava “adivinhando”, ou melhor, a soberania de Deus já estava agindo contra o que aquela igreja se tornaria no futuro. E no tal futuro, em 1517 (mais de 2 mil anos depois de habacuque e 1450 anos de Paulo), num período de trevas a palavra de Deus iluminou a mente de um homem que debaixo de toda essa poeira negra resolveu gritar de novo: O JUSTO VIVERÁ PELA FÉ!

O Maior Reformador da História

Todos esses gritos de fé, de Habacuque, Paulo e Lutero só ecoaram na história como verdade absoluta por causa de outro grito. O grito da cruz. De lá o grande reformador gritou aos céus e a terra “ESTÁ CONSUMADO!”. Jesus é o nosso maior reformador. A cruz é o grande martelo da reforma. E sua justiça sobre nós é a grande reforma do universo. Jesus é a nossa salvação. Nossa justificação. Ele foi o justo pelos injustos. Jesus é tudo, fez tudo, de uma vez por todas. A cruz é nossa vitória definitiva. Jesus é o cordeiro que tira o pecado do mundo. Jesus é o maior reformador da história. E por causa dEle, somente dEle, os Luteros e Calvinos se levantam para defender a verdade pela fé. Sem Ele não haveriam os outros, e os outros quando não apontam pra Ele não são dignos de lembrança.

Lutero entendia justificação pela fé (e não por obras) como o alicerce pelo qual a igreja cairia ou se manteria de pé. E além, entendia que tal justificação só poderia vir de Jesus, que morreu para chamar pecadores a vida. Alguém justo precisava pagar pelos injustos. A justiça e santidade de Deus não poderiam mudar pela sua graça e misericórdia. Todos os atributos de Deus são imutáveis e um não age contra o outro. Deus não pode ir contra sua lei, mesmo que por amor. Ambos devem permanecer de pé, caso contrário os pilares do universo seriam abalados¹. Sobre isso Horatius Bonar escreve:

“Deus (em Jesus) realizou essa conciliação e, ao realizá-la, tanto a lei como o amor triunfaram. Um não deu lugar ao outro. Cada um deles manteve a sua posição, ou melhor, cada um deles voltou do conflito honrado e glorificado. Jamais houve um amor como esse amor de Deus, tão grande, tão sublime, tão intenso, tão autossacrificial. E a lei jamais fora tão pura, tão abrangente, tão gloriosa e tão implacável.”²

Se compararmos a época de Jesus com a época de Lutero veremos incríveis semelhanças. Uma igreja vivendo de aparências. Uma igreja mais ligada a política do que a fé. Interessada nos palácios e riquezas. Centralizadores das Escrituras. Adoradores de tradições e amuletos. Orgulho e egoísmo. Uma igreja rendida ao governo civil. Vínculo com Roma. Percebe? Será coincidência? Penso que não. Em todas as épocas a Igreja e a verdade do evangelho serão oprimidas. Em todas as épocas o mundo (que jaz no maligno) tentará perverter a mensagem de Jesus. E o que temos que fazer? Seguir o grande reformador. Agarrando-se nEle com uma fé inabalável que sabe que nossa salvação e reforma são somente pela fé.

Assim como Lutero se levantou em 1517, Deus estará levantando homens para viver e morrer pela verdade. Em todos os tempos a Igreja precisará de homens dispostos a dizer “MINHA CONSCIÊNCIA É CATIVA A PALAVRA DE DEUS!”. Em todos os tempos o mundo precisará de homens e mulheres que vivem pela fé em Jesus, e não por obras. A verdadeira reforma começou na cruz com Jesus e só vai acabar quando o mesmo Jesus retornar em glória. Até lá os reformadores continuarão se levantando em todos os lugares, pois sabemos que nosso grande reformador vive e nossa salvação vem somente pela fé nEle.

Soli Deo Gloria!

¹BONAR, Horatius. Justiça Eterna – Como o homem será justo diante de Deus. São Paulo: Editora Fiel, 2012. P. 17
²Ibid.

Fonte: Evangelho Urbano / IBB News

Leave a Reply