Home / Fique por dentro / Juiz que cuidava do caso da cristã Asia Bibi renuncia, após presão de muçulmanos

Juiz que cuidava do caso da cristã Asia Bibi renuncia, após presão de muçulmanos

Um ativista cristão afirmou que a renúncia do juiz “ilustra o poder de extremistas e que eles são a verdadeira autoridade no Paquistão”.

FONTE: IBBNews, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

2734350669-asia-bibi-pena-de-morte1
Asia Bibi é uma cristã de 51 anos que foi condenada em 2010 à

O futuro da cristã paquistanesa Asia Bibi, que foi condenada à morte em 2010 por causa de acusações de blasfêmia, parece ser incerto depois que um juiz sênior, que estava encarregado de julgar o apelo da ré se demitiu, sem dar uma explicação aparente para sua decisão. Porém um grupo cristão do país destacou que extremistas muçulmanos estão exercendo forte pressão sobre os juristas envolvidos neste caso.

Semanas após a Suprema Corte do Paquistão suspender a audiência final na qual seria julgado recurso de Bibi contra sua execução, o juiz Iqbal Hameed renunciou, sem apresentar qualquer razão específica, segundo a imprensa local.

“O Sr. Hameed não queria enfrentar a forte reação das pessoas no Ocidente, caso Asia Bibi realmente fosse condenada à morte por enforcamento”, disse Wilson Chowdhry, presidente da Associação Britânico-Paquistanesa.

A renúncia do juiz “ilustra o poder de extremistas e que eles são a verdadeira autoridade no Paquistão”, acrescentou Chowdhry, fazendo alusão aos grupos islâmicos que clamam pela execução de Bibi.

O juiz já havia optado por se abster do julgamento de Bibi no início deste mês.

“Eu era uma parte do grupo que estava ouvindo o caso de Salmaan Taseer, que também relação com este caso [de Bibi]”, explicou o juiz na época.

Taseer era um empresário e político paquistanês que cumpriu mandato como governador da província de Punjab, até ser assassinado pelo seu próprio guarda-costas, depois de ter criticado publicamente as leis de blasfêmia do país, que levaram diversos cristãos – inclusive Asia Bibi – a serem condenados à morte no país.

“A cada dia que passa eu temo que ela quer seja assassinada ainda sob custódia e que sua morte seja mascarada como uma morte natural, ou que ela venha finalmente perder sua causa no Supremo Tribunal Federal – pois isso seria a decisão mais popular em um país dividido pelo ódio”, escreveu Chowdhry. “Infelizmente essa posição é ainda adotada por grande parte do Judiciário (funcionários públicos) que também estão cegos pelo ódio da agenda promulgada pela mídia e pelo sistema de ensino no Paquistão”.

Bibi foi condenada à morte em 2010 por causa das acusações de blasfêmia que recaíram sobre ela, depois que duas colegas de trabalho alegram que ela insultou o profeta muçulmano Maomé.

Em julho deste ano (2016), a Suprema Corte do Paquistão definiu uma data do mês de outubro para audiência final de apelação da cristã de 51 anos e mãe de quatro filhos, para determinar se ela teria ou não sua pena de morte executada, mas com a abstenção do juiz Hameed, a audiência foi cancelada e não teve uma nova data definida.

Leave a Reply